Topo
Blog do Leo Dias

Blog do Leo Dias

Walcyr Carrasco: "Ary Fontoura e Marco Nanini são os meus pés de coelho"

Leo Dias

19/05/2019 10h45

Walcyr Carrasco é o autor de "A Dona do Pedaço" (Foto: Reprodução / Instagram)

Com mais de 15 novelas no currículo, Walcyr Carrasco se prepara para estrear um novo trabalho de sua autoria na TV Globo, "A Dona do Pedaço". Ocupando um horário nobre na emissora, o folhetim tem a missão de reerguer a audiência após "O Sétimo Guardião" – uma trama que terminou com muitas polêmicas nos bastidores, críticas e baixíssimos números.

Para a tarefa, o autor, bastante rígido em seus textos, conta com a parceria de outra grande 'leoa' da televisão, a diretora artística Amora Mautner, e também um elenco bastante estrelado, que vai de Juliana Paes – a protagonista – passa por Paolla Oliveira e Reynaldo Gianecchini e inclui baluartes da TV, como Fernanda Montenegro, Marco Nanini e Ary Fontoura.

Em conversa exclusiva com o Blog do Leo Dias, o autor – que falou também sobre a briga que teve com Marina Ruy Barbosa em "Amor à Vida, em 2013 – abre o jogo sobre superstições, atores que lhe dão sorte e fórmulas que usa para fazer uma novela de sucesso. Ele lembra ainda que já trabalhou como colunista da revista "Contigo!" e esteve do outro lado, escrevendo sobre a vida dos famosos. Atualmente se tornou o mais versátil escritor de folhetins do Brasil.

Leia a entrevista completa com Walcyr Carrasco:

BLOG DO LEO DIAS – "O Sétimo Guardião" termina com baixos números de audiência. E, quando o autor recebe o horário para um próximo trabalho, isso acaba sendo um grande desafio. Qual é a fórmula de vencer esse desafio e mostrar logo de cara que o seu trabalho novo é bom?

WALCYR CARRASCO – Eu adoraria saber responder essa pergunta e dizer que há uma fórmula. Mas não existe fórmula. O autor não pode se prender a questões como sucesso ou números de audiência, pois nesse caso a criatividade será cerceada. Eu sempre acredito na minha intuição e na minha vontade de voar artisticamente. E mergulho profundamente no que estou escrevendo.

A estreia de um novo trabalho te dá um nervosismo? Você tem alguma superstição em relação ao nome da novela ou data de estreia?

Eu fico nervoso a novela inteira! Nunca acho que o trabalho está concluído, mas que devo me superar a cada capítulo. O nome da novela e a data da estreia são decisões finais da emissora. Eu não tenho nenhuma superstição específica. Gosto sim, de brindar e comemorar a estreia.

Tem algum ator que é o seu "pé de coelho" da sorte? Já teve isso?

Já tive vários atores que me deram sorte, como a Drica Moraes e a Elizabeth Savalla. Nesta novela, estou contando com o Ary Fontoura e o Marco Nanini como meus pés de coelho.

Você é um autor totalmente versátil, que escreve para a dona de casa do interior do Brasil, mas também fala sobre as grandes baixarias que acontecem em cidades grandes, no mundo da moda, e na alta sociedade. Como você faz para ser tão versátil e transitar com tanta facilidade por diversos tipos de linguagem e identificação com o público?

Minha vida é variada, nasci no interior de São Paulo, de família humilde e tenho uma grande ligação com minhas raízes, mas Deus me ofereceu inúmeras oportunidades na vida, e agradeço profundamente por isso. Transito em vários meios sociais, inclusive internacionalmente. Isso me faz ter uma visão ampla da sociedade, desde o homem simples, do campo, o lavrador, até os meios mais sofisticados. Agora eu, pessoalmente, prefiro mesmo ser simples.

Como é trabalhar com a Amora Mautner?

Adoro trabalhar com a Amora, ela é muito criativa, tem uma ideia atrás da outra e é uma diretora excepcional. Fora do trabalho, temos uma grande proximidade também.

Amora Mautner e Walcyr Carrasco (Foto: TV Globo)

Você já trabalhou na Contigo! e cobria a vida dos famosos. Hoje você escreve novela e trabalha diretamente com famosos. O fato de ter trabalhado em uma revista de celebridades muda a sua visão sobre os atores hoje? O meio artístico é pior do que outros meios em relação a 'puxões de tapetes' e exposição?

Trabalhei sim, na Contigo e vi o mundo da fama do outro lado. Isso me faz compreender como muitas vezes os atores têm que preservar a vida pessoal, e como o mundo pode ser invasivo em relação a eles. Eu não acredito que o meio artístico seja tão diferente assim dos outros meios profissionais. Em todos os lugares, as pessoas se relacionam, se amam, se traem, brigam, fazem amizades. Seja num banco, seja numa estatal, seja numa peça de teatro. Apenas no meio artístico as questões pessoais muitas vezes são expostas.

"A Dona do Pedaço" já chamou a atenção na mídia antes da estreia com a expectativa de um casal gay formado por dois galãs da televisão – Malvino Salvador e Caio Castro. Como será abordado na novela? Você pensou que geraria esse impacto todo mesmo antes da estreia?

Eu não costumo adiantar trama! Haverá sim, um casal gay, mas a questão está sendo abordada cuidadosamente.

Quando você começa a escrever uma novela, quais são os primeiros ingredientes que você acrescenta ao seu texto para garantir o sucesso da trama? Se inspira de alguma forma em elementos das séries, como as do Netflix, que fazem grande sucesso?

O principal ingrediente tem que ser minha própria emoção. Se eu mesmo não me sinto envolvido, apaixonado pelos personagens, não vai rolar. As séries trouxeram um ingrediente que as novelas já incorporaram, que é a rapidez de acontecimentos. Por outro lado, as séries incorporaram as emoções expostas e intensas características do melodrama e da telenovela.

*Com colaboração de Lucas Pasin

Sobre o autor

Leo Dias é jornalista e apresentador do programa “Fofocalizando”, do SBT. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos.Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: “A fama tem um preço estou aqui para cobrar”.

Sobre o blog

Notícias exclusivas sobre o mundo das celebridades e os bastidores do show business no Brasil.